Amigo de bicheiro morto é assassinado horas após homenagear o contraventor

Um dia depois de o contraventor Haylton Gomes Escafura, de 37 anos, ser encontrado morto num quarto de hotel na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, um amigo dele foi assassinado a tiros no Cachambi, Zona Norte da cidade. Marcelo Viera França, de 38 anos, foi baleado em frente ao seu bar, o 'Boteco do França', na Rua Rocha Pita, por volta das 2h dda madrugada desta quinta-feira. A Polícia Civil está investigando uma possível ligação entre os dois crimes. Junto com o corpo do bicheiro, foi encontrada, também morta no hotel, a policial militar Franciene de Souza, de 27 anos.

Marcelo França foi assassinado com dois tiros na cabeça. A princípio, a policia estava tratando o crime como um latrocínio (roubo seguido de morte). No entanto, pessoas que viram os disparos sendo efetuados disseram que nada foi levado do bar e que o estabelecimento já estava fechado no momento da morte do pequeno empresário.

- Não foi assalto. Foi uma execução. Nada foi levado. O bar estava fechado. Vieram para matar o dono do bar - disse uma testemunha ouvida pelo EXTRA.
O comerciante morreu horas depois de publicar no Instagram uma homenagem ao amigo bicheiro. "Um amigo não precisa estar com a gente o tempo todo, porque amor de amigo vence a distância. Amigo que é amigo mesmo pode até ter outros amigos, porque amor de amigo nunca acaba. Ele se multiplica. Tem amigo de tudo quanto é jeito: de infância, da escola, de bairro, de igreja, de faculdade, de internet, amigo de amigo. Tem amigo até que a gente nem lembra de onde veio. E cada um deles tem um espaço guardado na memória e no coração. Amigo que é amigo porque está presente nos momentos mais importantes da vida da gente. Que o Pai superior permita que os espíritos de luz venha em seu auxílio meu amigo Haylton, te direcionando pelo caminho de paz e amor. Descanse em paz", escreveu ele.

Ainda não há confirmação de que Marcelo França tinha ligações com os negócios de Escafura. Moradores da região disseram que a falta de movimento no bar sempre foi motivo de desconfiança.

- O bar é enorme. Foi aberto no meio da crise, em março, e nunca está cheio. Os moradores acham muito esquisito. O dono é morador do bairro, mas não sabemos muito bem o que ele fazia antes de abrir o bar - disse ao EXTRA uma pessoa que não quis se identificar.

Marcelo chegou a ser socorrido por policiais militares do 3º BPM (Méier) e levado ao Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu aos ferimentos. Apesar dos relatos de execução, a Polícia Militar informou que testemunhas relataram que criminosos anunciaram um roubo antes de efetuarem os disparos.

"Na madrugada desta quinta-feira, policiais militares do 3ºBPM (Méier) foram acionados para atender ocorrência em estabelecimento comercial na esquina das ruas Ferreira de Andrade com Rocha Pita. No local, foi encontrado o proprietário do estabelecimento, ferido com tiro na cabeça. Testemunhas contaram que criminosos armados, após anunciarem roubo, atiraram na vítima no momento em que tentava fechar o comércio. O homem foi socorrido pelo CBMERJ ao Hospital Municipal Salgado Filho".

A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) está investigando o caso e vai solicitar imagens de câmeras de segurança da egião que ajudem a identificar os criminosos.

Comentários