Disputa por caça-níqueis pode ter motivado morte de filho de Piruinha

Uma disputa pelo controle de áreas arrendadas para exploração de máquinas de caça-níqueis, em bairros da Zona Norte do Rio, na área do contraventor José Caruzzo Escafura, o Piruinha, pode ter motivado o assassinato de bicheiro Haylton Carlos Gomes Escafura, de 37 anos. Haylton é filho de Piruinha e foi morto com tiros de fuzil e pistola, nesta quarta-feira, em um apartamento do oitavo andar do Hotel Transamérica, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade.

Ele estava em companhia da PM Franciene Soares de Souza, de 27, que também foi morta. Ela deixou uma filha de 5 anos. Para executar o crime, três bandidos encapuzados entraram de carro pelo estacionamento do hotel. Dois deles subiram oito andares de escadas e não foram vistos pelos funcionários. A dupla disparou contra a porta do quarto, que foi arrombada.

Haylton e Franciene tentaram se proteger e correram para o banheiro, trancando a porta. De nada adiantou.

Os bandidos dispararam mais de 20 tiros contra a porta . Haylton e Franciene acabaram atingidos pelas balas e morreram na hora.

O filho de Piruinha havia deixado a prisão há cinco meses, onde cumpriu parte da pena que havia sido condenado por crime de lavagem de dinheiro. A polícia vai investigar a hipótese de que os assassinos seriam ex-policiais que pagavam pelo arrendamento das máquinas. Elas teriam executado Haylton por medo de ter que devolver ao bicheiro o controle total do negócio. O crime pode ter tido o aval de um membro da contravenção.

O delegado Fábio Cardoso, da Delegacia de Homicídios (DH), disse que há indícios que os bandidos planejaram toda a ação.

— A ação demonstra ousadia, mas também indica que, possivelmente, os autores buscaram informações no local antes de executar o crime — disse o delegado.

Segundo a polícia, três armas diferentes foram usadas na execução. A perícia arrecadou no apartamento estojos de fuzil, calibre 556, e de pistolas calibre 40 e calibre 380. A DH já está de posse de imagens de câmeras de circuito de segurança que filmaram parte da invasão do hotel. O material está sendo analisado por agentes da delegacia que tentam identificar os assassinos.

A previsão é a de que Haylton Escafura seja sepultado, nesta quinta-feira, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulcap.

Em setembro do ano passado, outro envolvido com exploração caça-níqueis tamém foi assassinado . O sargento PM Marcos Falcon, presidente da Portela, e que tinha negócios na área de Piruinha, foi morto com tiros de fuzil em Campinho.

Comentários