Alunos da Rede de Ensino de Ilhéus recebem acompanhamento oftalmológico

Mais de cem crianças entre seis e nove anos, matriculadas no Ensino Fundamental nas escolas da Rede Municipal de Ensino, em Ilhéus, estão sendo beneficiadas pelo Projeto de Reabilitação e Orientação para Deficientes Visuais (Prodevi). Com três anos de atuação e apoiado pela Prefeitura de Ilhéus, o projeto vem melhorando a qualidade de vida de crianças, promovendo independência funcional das atividades diárias, prevenção e recuperação da saúde ocular.

A secretária de Educação, Eliane Oliveira, informou que os professores da Rede, receberam a capacitação especializada que identificam sinais de dificuldades de aprendizagem relacionadas à leitura. “As atividades do programa continuam durante o ano, sempre no turno vespertino na última terça-feira de cada mês. Este é mais um compromisso assumido pelo prefeito Mario Alexandre, que se mostrou muito preocupado com o quadro atual, contudo, otimista com o novo modelo de Educação Inclusiva praticado em sua gestão”, disse.

Avanços – Durante os seis primeiros meses de governo, outras ações voltadas aos estudantes da Rede Municipal de Ensino vêm sendo adotadas. Entre elas, a avaliação de processamento visual para diagnóstico de Insuficiência de Convergência Ocular, avaliação das Disfunções dos Movimentos de Perseguição Ocular, alterações posturais, além de outros indicativos que interferem na capacidade cognitiva dos estudantes.

O coordenador do Prodevi, Renato Gonzaga Barreto, disse que apesar dos avanços, o quadro inspira atenção. “As crianças sofrem inferiorizarão social necessitando de intervenções do fisioterapeuta para a retomada da capacidade neurocognitiva. Os procedimentos de consultas, exames e até mesmo de cirurgias, são prescritos e encaminhados aos médicos através do Sistema Único de Saúde (SUS) e, que em casos de tratamento por Fisioterapia, estes são encaminhados para especialistas”, informou.

Desde a sua criação, o Prodevi é desenvolvido através do Núcleo de Pesquisa e Extensão da Faculdade Madre Thaís (FMT) e apoiado pela secretaria Municipal de Educação (Seduc), pelo Centro de Referência de Inclusão Educacional (CRIE) e Hospital de Olhos Elclin. A coordenação do curso de Fisioterapia da FMT é da professora Carla Gresik.

Comentários