Noval aceita desafio e é solução do Flamengo para lugar de Rodrigo Caetano

Carlos Noval, coordenador da base do Flamengo, aceitou o desafio de ocupar o lugar de Rodrigo Caetano como diretor de futebol profissional. O dirigente é o único nome definido pela diretoria depois de mapear o mercado. Foi pensado o aspecto da continuidade e do bom ambiente, já que Noval já é conhecido de todos. Tanto pelo bom temperamento como pela consequência.

A experiência de sucesso com a base veio como uma virtude que o credenciou para o desafio. Fora do Brasil com uma das categorias, Noval chega de viagem para finalizar a promoção. O profissional foi um nome colocado pelo presidente Bandeira de Mello, o diretor-geral Fred Luz, e teve a concordância dos demais vice-presidentes, entre eles Ricardo Lomba, do Futebol.

Com a lacuna que seria criada com a promocação de Noval, Eduardo Freeland, do Botafogo, e o Marcelo Teixeira, do Fluminense, são os cotados para atuarem na base.

Noval é responsável pela coordenação da base desde a época da ex-presidente Patricia Amorim. Com a integração com o profissional cada vez maior, passou a estar presente durante os treinos do time principal e a fazer a transição das joias, como Vinicius Junior e Lincoln. Querido por atletas e funcionários, seria uma opção para manter o bom ambiente depois da perda de Caetano, que também era fechado com os jogadores.

O dirigente da base ficou marcado pela volta das conquistas do clube na Copa São Paulo de Juniores desde 2011. A partir de então foram mais duas conquistas, em 2015 e 2018.

Além de Rodrigo Caetano, também foram demitidos do Flamengo o técnico Paulo César Carpegiani, os auxiliares Rodrigo Carpegiani e Jayme de Almeida, o gerente de futebol Mozer e o preparador físico Marcelo Martorelli.

Comentários