Gestão compartilhada pode evitar fechamento do Hospital São Lucas em Itabuna

O possível fechamento do Hospital São Lucas, anunciado desde o mês passado pela Santa Casa de Misericórdia de Itabuna (SCMI), foi o principal motivo de uma sessão especial realizada na tarde da última terça-feira (16), na Câmara de Vereadores. A sessão reuniu representantes do município, estado, justiça, trabalhadores da saúde e do Conselho Municipal de Saúde, que discutiram o tema na busca de solução para impedir o fechamento da unidade.  

Após o provedor da SCMI, Eric Ettinger Júnior, apresentar os motivos para o fechamento, entre os quais o desequilíbrio financeiro entre despesas e receitas da Santa Casa em decorrência do subfinanciamento da tabela do SUS e as dívidas que, segundo o provedor, se acumulam mensalmente, a secretária de Saúde de Itabuna, Lísias São Mateus, disse que desde o início se posicionou contra o fechamento da unidade hospitalar.

Segundo explicou, o município fez e fará o que for possível na busca de uma solução para reverter à ameaça de fechamento de um importante hospital como o São Lucas. Lísias disse, inclusive, que a Secretaria de Saúde do município aumentou o repasse da verba, para R$860 mil, R$60 mil a mais por meio do contrato, em favor da Santa Casa e que, por várias vezes, levou o assunto ao governo do estado.

Informou ainda que tentou um aporte financeiro maior para o Hospital Manoel Novais, (uma das três unidades da Santa Casa), por meio da Rede Cegonha, mas os recursos retornaram por pela falta de prestação de contas da gestão anterior. “Não tenham dúvida de que o que foi possível fazer foi feito e faremos mais, dentro das possibilidades da Secretaria Municipal de Saúde”, argumentou.

UPA Monte Cristo

Com relação à Unidade de Pronto Atendimento (UPA24), no bairro Monte Cristo, ela disse que independente do fechamento ou não do Hospital São Lucas, a UPA será aberta por se tratar de um compromisso dela e do prefeito Fernando Gomes com a comunidade. “Desde quando assumi o comando da gestão da saúde em Itabuna eu e minha equipe técnica estamos trabalhando para cumprir esse compromisso”, afirmou.  

A secretária explicou que a abertura da unidade do Monte Cristo, inicialmente, depende apenas da chegada dos móveis de escritório e de equipamentos hospitalares, que já foram licitados. A UPA funcionará com dois médicos plantonistas 24 horas e uma equipe de profissionais de saúde contratados da própria rede, visando o fortalecimento da Rede Básica em Itabuna, conforme adiantou.   

O representante da Sesab, o médico Isaque Nery, em seu pronunciamento, disse que o papel do Estado é claro em relação ao São Lucas em Itabuna. “O Estado tem o compromisso com a média e alta complexidade e dá suporte aos municípios que não tem capacidade para realizar procedimentos complexos”, afirmou.
Isaque disse ainda que, enquanto cidadão, reconhece que o fechamento do Hospital São Lucas será ruim não apenas para Itabuna como para a macrorregião. “Deve haver outra forma que viabilize o não fechamento da unidade, como uma gestão compartilhada, por exemplo, para não precisar chegar ao extremo. A população de Itabuna cresce a cada dia, então é preciso abrir e não fechar os leitos existentes”.  Sugestões como a união de autoridades e a sociedade em busca de solução para a questão do fechamento do hospital também foram apresentadas durante a sessão especial na Câmara.
Além da secretária de Saúde, Lísias São Mateus e do provedor da Santa Casa, Eric Ettinger Júnior, a sessão que foi presidida pelo vereador Josué Brandão Júnior, contou com o representante do governo do estado, Isaac Nery, do presidente do Conselho Municipal de Saúde, Josivaldo Gonçalves e do representante dos funcionários do Hospital São Lucas, Antônio Dias, que formaram a mesa. Demais vereadores se fizeram presente à sessão, junto com o público que lotou o plenário.

Comentários